© 2016 por Sakai Serviços de Psicologia e Palestras

Joana d'Arc Sakai Psicóloga e Palestrante CRP 06/18972-2 - tel: 11 5667 3183 - email: sakaijoana@gmail.com - Rua da Paz, 1.601 - cj 404 - Ch. Sto. Antônio / Rua João Pedro, 302 - Interlagos

  • Facebook Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon

Auto-estima

April 8, 2016

  Por que essa força é tão determinante para os resultados que você consegue? O excesso e a falta trazem problemas, mas dificilmente se conquista algo sem ela.

  Estamos falando de auto-estima, que significa a noção de valor que o indivíduo tem de si mesmo e o amor que o indivíduo sente por ele mesmo. Há algum tempo, vem-se explicando o sucesso ou não de profissionais pelo seu nível de auto-estima.

  O que faz um indivíduo gostar mais ou menos de si mesmo, depende de uma série de fatores.   A auto-estima é forma pela imagem que cada pessoa tem de si mesma, somada ao auto-conceito, desenvolvido a partir de dados que recebemos do ciclo social. Aliás, os comportamentos são regidos pelos códigos positivos ou negativos, impostos pelo meio social e dependendo dos papéis que executamos, recebemos esse ou aquele rótulo.

  Quando uma enfrenta/desempenha tarefas novas e tem como resultado o sucesso, ela com muita probabilidade, sentir-se-á mais forte. Numa seleção, procura-se observar/identificar determinadas competências nos candidatos que possam indicar a capacidade de enfrentar desafios.

  1. Coragem (capacidade para lidar com a realidade, posicionamento);

  2. Iniciativa (capacidade de buscar solução sem esperar que alguém a mande);

  3. Grau de influência (junto à equipe).

  Durante as crises que acontecem no ambiente organizacional, somente os colaboradores com elevada auto-estima sobrevivem, justamente porque são profissionais com referência própria, que não precisam ficar na dependência de outras pessoas (antigamente, ficavam submetidas a uma voz de comando, uma hierarquia).

  Considerando que a cada dia, surgem problemas novos, que exigem soluções novas, constata-se que o profissional com auto-estima baixa, terá dificuldades para manter a sua produtividade e oferecer soluções, pois o que nos torna criativos, é a auto-confiança, a coragem de tentar. Um bom profissional, não trabalha apenas pelo salário, mas por realização pessoal, para colocar à prova suas competências.

  Você pode reconhecer uma pessoa com boa auto-estima pelo modo de andar, pelo olhar, como ela fala.

  O excesso de auto-estima, pode ser prejudicial, se a pessoa não tiver desenvolvido sua capacidade pela auto-crítica. É isso que faz um esportista ganhar de adversários fortes e depois perder de algum aparentemente mais fraco. A pessoa não avalia corretamente o adversário (sentimento de onipotência).

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

Video inaugural "Saia da fogueira com Joana d'Arc Sakai"

January 12, 2017

1/3
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo